Notícias e Novidades
Pecuária de corte movimenta o dobro do PIB da cadeia de soja
Segunda-feira, 11 de Julho

Proporcionalmente, no entanto, o crescimento da pecuária bovina de corte foi de 2,48%, bem abaixo dos 9,69% da cadeia da soja em 2015; boletim trimestral do Cepea/CNA indica ainda boas perspectivas com controle de custos
 

O Produto Interno Bruto (PIB) da pecuária bovina de corte é o maior entre as cinco cadeias produtivas do agronegócio brasileiro acompanhadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Esalq-USP, em parceria com a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Em 2015, os segmentos de insumos, produção primária, processamento e serviços prestados à cadeia movimentaram cerca de R$ 188 bilhões, ou mais que o dobro dos R$ 91,4 bilhões estimados para a cadeia da soja. Os dados foram apresentados no informativo de análise trimestral dos custos de produção da pecuária de corte do Cepea.


Proporcionalmente, no entanto, o crescimento da pecuária bovina de corte foi de 2,48%, bem abaixo dos 9,69% da cadeia da soja e dos 5,01% da cana-de-açúcar no comparativo com 2014. Por outro lado, o leite e principalmente o algodão amargaram fortes quedas em seus PIBs, de 12,3% e 16,1% respectivamente.


O resultado positivo da pecuária bovina de corte refletiu o aumento de 10,2% da renda produzida pelo segmento industrial – decorrente dos maiores preços (10,36%), já que o volume processado diminuiu 7,07% – num contexto de retração de 7,87% do segmento de insumos, de 3,1% do segmento de serviços e ligeiro aumento de 1,58% da renda gerada “dentro da porteira”. 


No segmento de insumos, diminuiu o volume comercializado de medicamentos, sal mineral e óleo diesel, em comparação a 2014. Por outro lado, tanto no segmento primário quanto na indústria, o balanço positivo foi obtido via aumento de preços (7,68%), já que o volume produzido e abatido recuou 7,07%, refletindo ainda a estiagem de 2013, 2014 e em parte de 2015.


Do segundo semestre do ano passado para este, o câmbio tem ajudado a elevar a competitividade brasileira no mercado internacional – a média do primeiro trimestre foi de R$ 3,90, valor 36% maior que a do mesmo período de 2015. Apesar do resultado não muito satisfatório nas exportações de carne bovina em 2015, com queda de 11,9% no volume embarcado, o faturamento em reais subiu 13,8%. Por outro lado, o ano foi positivo pela liberação de exportação de carne in natura de 14 estados brasileiros aos Estados Unidos e pelo início dos embarques diretos para a China. Também foram suspendidos embargos – ainda em função do caso atípico de vaca louca em 2012 – da Arábia Saudita, Iraque, África do Sul e do Japão.


Perspectivas 


A pecuária brasileira deve seguir competitiva no mercado externo. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a expectativa é de crescimento no volume próximo de 12% e de faturamento de aproximadamente US$ 7,5 bilhões (batendo o recorde de 2014), com incremento na participação da China de US$ 1,3 bilhão. Além disso, há a expectativa de que os embarques de carne in natura aos Estados Unidos se intensifiquem no segundo semestre.


oferta de animais continua baixa, o que mantém os preços da arroba em altos patamares. O Indicador Esalq/BM&FBovespa (estado de SP) no primeiro trimestre de 2016 registrou aumentos consecutivos, com média de R$ 155,80 em março. Esse movimento é visto também no mercado futuro; o contrato Dezembro/2016 fechou a R$ 165,92 em 21 de junho.


De acordo com dados do Cepea, também em parceria com a CNA, apesar da variação do Custo Operacional Total (COT) da pecuária em 2015 ter sido 11,49% superior à variação do preço da arroba, de 2,66%; a margem média por hectare da pecuária de corte, na “média Brasil” (média de todos os sistemas de produção, em 13 estados acompanhados pelo Projeto Campo Futuro – Cepea/CNA), do primeiro trimestre de 2016 apresenta significativa alta de 25,8% se comparada à do mesmo período de 2015. Nos três primeiros meses deste ano, o COT subiu 1,65%, abaixo dos 4,79% do primeiro trimestre do ano anterior, também na “média Brasil”.


O informativo indica que “apesar da inflação perto de dois dígitos, do desemprego em alta, da retração da economia, das elevadas taxas de juros e do déficit público, agravados pela crise política”, esses primeiros resultados de 2016 indicam que o setor pode seguir um pouco mais otimista que outros do país. 


“O que resta é manter o bom planejamento da atividade e gerenciamento dos custos para o melhor uso dos recursos disponíveis, dada a diminuição da disponibilidade de crédito ao setor”, finaliza o Cepea.


Fonte: Canal Rural


deixe seu
comentário

Assine nossa

newsletter