Notícias e Novidades
Desvalorização do dólar diminui competitividade da soja brasileira
Quarta-feira, 23 de Março

Analistas dizem que valorização do real pode dar abertura para o mercado argentino comercializar o grão


A queda do dólar nas últimas semanas diminuiu a competitividade do Brasil nas vendas de soja. Analistas dizem que se o real tiver valorização frente à moeda americana, a Argentina deve ganhar a fatia de mercado que o Brasil vem ocupando nas exportações do grão. Segundo os analistas, pelo menos 40 milhões de toneladas da safra 2015/2016 ainda precisam ser negociadas.


A analista da FCStone Natália Orlovicin explica que o cenário é de um primeiro trimestre atípico para o mercado brasileiro de soja. Diferente de 2015, quando a comercialização da safra estava lenta. O início de 2016, o dólar alto estimulou o produtor a negociar o grão.


“A gente estima que em torno de 60% da safra brasileira já foi comercializada, o que é um nível adiantado para os que vimos na mesma época de 2015”, diz.


Natália diz que a queda da moeda americana pode afetar as exportações, principalmente as dos segundo semestre.


O vice-diretor da faculdade de Economia da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), Luiz Alberto Machado, diz que se o Brasil continuar com preços pouco atrativos, a Argentina deve conquistar cada vez mais espaço nas negociações.


“Outros concorrentes ganham espaço porque conseguem oferecer preços mais favoráveis. Os Estados Unidos que está vivendo uma safra positiva passa a ser um concorrente de peso no presente momento. A médio e longo prazo, a gente tem que considerar também eventual reaparecimento da Argentina nesse cenário. Argentina tava completamente fora com o governo jogando contra, criando dificuldades para os exportadores. A notícia da ascensão do Mauricio Macri mudou o cenário. Hoje, no país vizinho, existe um otimismo que contrasta com o pessimismo que existe no Brasil”, destaca.


Diante de um cenário tão duvidoso para a economia brasileira, Machado acredita que o produtor que conseguir negociar com o dólar ainda em patamares elevados não vai se arrepender.


Fonte: Canal Rural / Jecson Schmitt / Arquivo Pessoal


deixe seu
comentário

Assine nossa

newsletter